A responsabilidade é nossa e vamos apoiar, diz Roberto Freire sobre governo Temer

A responsabilidade é nossa e vamos apoiar, diz Roberto Freire sobre governo Temer

As forças políticas que votaram pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, cuja admissibilidade foi aprovada nesta quinta-feira (12) pelo Senado Federal, têm de dar sustentação ao governo de Michel Temer. A avaliação é do deputado Roberto Freire (PPS-SP), entrevistado nesta manhã pelo Jornal Hora Certa, da Rádio Cacique AM (1510 KHz), de Santos (SP).

“A responsabilidade agora é nossa. Temos que apoiar. A forma como se dará esse apoio depende de cada partido, com ou sem ministérios”, afirmou o presidente nacional do PPS. Nosso partido deve ter o ministro da Defesa, Raul Jungmann, mas independentemente disso já havíamos anunciado que apoiaríamos o governo Temer.”

Freire lembrou do impeachment de Fernando Collor, em 1992, e da coalizão formada em torno do presidente Itamar Franco. “Eu, pessoalmente, e o partido participamos juntos do PT e de Lula do impeachment de Collor. E logo depois, quando Itamar assumiu, nós dizíamos que a responsabilidade do novo governo era das forças políticas que votaram a favor do impeachment”, recordou. “Naquela ocasião, PT e Lula foram irresponsáveis porque fizeram o impeachment e foram para a oposição a Itamar.”

Segundo o deputado, a recessão enfrentada pelo Brasil é resultado de anos de irresponsabilidade na condução da política econômica sob os governos do PT. “Desde os tempos de Lula, opções erradas na economia nos trouxeram até aqui. Com Lula, parecia que o Brasil tinha chegado ao nirvana, se comprava tudo com financiamento barato, o país nadando em dinheiro… Dissemos naquela oportunidade que aquilo daria errado”, lembrou. “O Brasil não estava cuidando da produção, da infraestrutura, e nada de fundamental foi feito. Mas aquele clima gerou o populismo. Nós dizíamos que seria um voo de galinha. Não se sustenta.”

Na avaliação do presidente do PPS, os maiores problemas de Dilma foram a incompetência e a corrupção de seu governo. “Com a sua total incompetência, ela só fez piorar. É caso de gestão, não é um problema de personalidade, de temperamento. Tudo isso pode ter ajudado, mas o fundamental é a gestão. E não podemos nos esquecer: foi um dos governos mais corruptos de toda a nossa história, responsável pelo maior escândalo da história republicana, na Petrobras, investigado pela Lava Jato”, criticou.

Questionado sobre o pronunciamento da presidente da República nesta manhã, em que voltou a se dizer vítima de um “golpe”, Roberto Freire foi categórico: “Essa narrativa do PT de que é golpe não tem qualquer sentido. Basta lembrar que o impeachment está no ordenamento jurídico brasileiro desde a primeira Constituição. Ele é usado justamente para punir governantes que praticam crimes de responsabilidade durante seus mandatos”, afirmou.

“[Dilma] pode ser processada pelo crime de responsabilidade. E a pena para esses casos é o impeachment. Não tem nada a ver com golpe. Essa é uma narrativa que interessa apenas a eles e não tem qualquer sentido”, prosseguiu o parlamentar.

Para Freire, a mudança no comando do país dá à sociedade uma nova perspectiva para a retomada do desenvolvimento. “Era necessário haver uma mudança e a formação de um novo governo para que você desperte a capacidade do país de voltar a crescer.” (Fábio Matos/Assessoria do Parlamentar)